Durante muito tempo, buscar um imóvel pra alugar significava travar batalhas épicas contra a burocracia. Mas isso já é coisa do passado. Hoje em dia, alugar sem fiador, depósito-caução ou seguro-fiança é uma realidade que cabe na palma da mão.

No QuintoAndar, pelo smartphone ou no computador, você procura o seu próximo apê ou casa e agenda uma visita. Se gostar do imóvel, basta negociar com o proprietário e enviar fotos de alguns poucos documentos, tudo pelo aplicativo. São eles:

  • CPF, RG ou RNM (antigo RNE) — caso você seja estrangeiro. Pra sua segurança, o QuintoAndar pede que você tire uma selfie segurando um documento com foto.
  • Comprovante de renda dos últimos 3 meses. Se você trabalha como CLT, basta apresentar os três holerites mais recentes. Se você for profissional autônomo, ou tiver algum outro tipo de rendimento, é só apresentar histórico de extratos bancários dos últimos 90 dias.

Uma boa dica é escanear os documentos usando um app especifico pra isso. O CamScanner e o TinyScan são gratuitos e estão disponíveis para Android e iOS. Depois de digitalizar, salve em algum serviço de nuvem, como o Google Drive ou o iCloud. Sempre que você precisar deles, já terá salvo em um lugar seguro!

Enviados os documentos, a fase seguinte é a análise de crédito. Veja o que o QuintoAndar leva em consideração:

  • Ser pessoa física;
  • Ter renda mensal bruta 2,5 vezes maior ao valor do pacote aluguel + condomínio + IPTU;
  • Até 4 pessoas podem compor renda no contrato e elas não precisam residir no imóvel;
  • Restrições nos órgãos de proteção ao crédito e processos judiciais em que o inquilino é réu;
  • Oscilações mensais, histórico de gastos e pagamentos compatíveis com a renda também serão analisados.

Como era alugar um imóvel antes do QuintoAndar

Alugar sem fiador hoje é fácil. Mas você se lembra de como era antigamente? Nós listamos as modalidades antiquadas de se comprovar renda, que o QuintoAndar está ajudando a eliminar:

1. Seguro-fiança

Uma opção de crédito que precisa ser renovada anualmente e tem custo altíssimo! As seguradoras chegam a cobrar até 200% do valor de um mês de aluguel. Ou seja, no final de um ano, você poderá ter pago o equivalente a 14 meses de aluguel. Ou seis meses a mais num contrato de locação de três anos. Significa perder dinheiro!

2. Depósito-caução

Neste caso, o inquilino deve ter em mãos uma quantia de até três vezes o valor do aluguel, logo na assinatura do contrato. Traduzindo em números: se você está de olho num imóvel com aluguel de R$ 4mil, terá que desembolsar nada menos que R$ 12 mil, à vista, na assinatura do contrato.

A quantia é depositada em uma conta poupança conjunta no nome do proprietário e do inquilino. Ao final do contrato, o dinheiro é devolvido, com correção da poupança.

3. Fiador

O fiador é um terceiro, indicado pelo inquilino como o corresponsável pelo pagamento do aluguel. Essa pessoa deve ter um imóvel já quitado no mesmo município e comprovar renda mensal líquida superior a três vezes o valor do aluguel.

Se você está começando a vida em uma nova cidade, por exemplo, onde não conhece ninguém, torna-se uma opção inviável.

Alugar com fiador é um processo que costuma ser mais lento, quando comparado aos demais. Isso ocorre porque a avaliação dos documentos leva muito mais tempo.

O QuintoAndar está transformando o mercado de aluguéis. Pra que você consiga morar no imóvel dos seus sonhos sem precisar desembolsar rios de dinheiro, enfrentar burocracias ou perder tempo nas filas dos cartórios.