Cada vez mais, os brasileiros estão perdendo o receio de fazer compras pela internet. E com a pandemia de Covid-19, as lojas virtuais explodiram em vendas. De acordo com pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o faturamento do comércio eletrônico no Brasil chegou a R$ 41,92 bilhões de janeiro a agosto. O número é 56,8% maior do que o mesmo período de 2019. Mas diante de tanto crescimento, e com a Black Friday 2020 batendo à porta (dia 27/11), é preciso tomar cuidado com os golpes virtuais. Por isso, se você estiver pensando em mobiliar a casa, ou equipá-la com novos gadgets, vale a pena dar uma olhada nessas dicas pra fazer uma compra segura.

Veja algumas dicas:

1. Lista das lojas suspeitas

Todos os anos, as entidades de proteção aos direitos do consumidor fazem uma blitz na internet. O objetivo é montar uma lista de sites fraudulentos. Uma boa fonte de consulta antes de clicar em algum link suspeito é a lista de reputação do Procon-SP (sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php).

A Ebit, entidade que mede constantemente a confiabilidade dos e-commerces, inclusive dando selos com níveis de certificação, tem sua lista de reputação das lojas, que vale a pena ser conferida: (https://www.ebit.com.br/reputacao-de-lojas). 

O Reclame Aqui também é uma boa fonte de consulta pra quem quer fazer uma compra segura. Busque a loja da qual você suspeita no site e leia a avaliações dos consumidores. Neste caso, o ponto de atenção é o nível de resposta e resolução dos problemas. Mesmo que uma loja tenha muitas reclamações, se ela atende a todos e apresenta soluções, vale a pena confiar nela.

2. Conexão segura, compra segura

Lojas virtuais idôneas costumam investir em segurança. E uma das formas de garantir que seu consumidor não será lesado é o certificado SSL, que criptografa a conexão do cliente. Pra saber se um site usa o SSL é muito simples. Basta você olhar a barra de endereço. Se a letra “s” aparecer logo depois do “http”, formando o “https”. Fique de olho, também, se um cadeado verde aparece na barra do navegador. Ambos, cadeado e letra “s”, são sinais de uma segurança maior.

Compra segura - HTTPS

3. Desconfie se o site não aceitar cartão de crédito

Muitos golpes consistem numa mecânica simples: o anúncio de um produto reconhecidamente caro por um preço muito baixo. E pagamento apenas via boleto ou transferência bancária. Portanto, mesmo que um site tenha o “https”, desconfie quando ele não oferece a opção de cartão de crédito como forma de pagamento. Muitas vezes, os golpistas fazem dessa forma porque significa um investimento menor em infraestrutura.

4. Use as redes sociais a seu favor

Hoje em dia, o Facebook e o Instagram se tornaram também canais de venda pra muitas lojas e marcas. E muitas fazem promoções em seus perfis. Ao acessar esse tipo de conteúdo, procure verificar a página que está divulgando. Pra fazer uma compra segura, veja se ela é certificada pelo Facebook ou pelo Instagram. Analise o conteúdo e veja se ela tem um histórico grande. Uma rápida olhada no conteúdo já vai fazer você acender o sinal amarelo de alerta.

5. Links suspeitos

Na dúvida sobre algum link recebido numa rede social, por e-mail ou no Whatsapp? Então evite de clicar! Acesse diretamente o site da loja em questão, caso ela esteja na lista das seguras, e busque a oferta por lá. Desconfie, inclusive, de links enviados por amigos. Antes de clicar, procure perguntar sobre a procedência.

Pronto, agora é só aproveitar as ofertas e comprar com segurança pela internet.