A decisão de comprar um imóvel promove profundas mudanças na maioria das pessoas. Afinal, trata-se de um negócio que demanda uma grande organização não apenas financeira, mas das ideias, dos planos pro presente e pro futuro. Por isso, o MeuLugar listou 7 coisas que você precisa saber antes de comprar casa ou apartamento pra morar. 

Acredite: são pontos que talvez você não tenha pensado, mas você vai nos agradecer por passar a levá-los em consideração!

1. Não pense apenas na vida que você tem hoje

Você tem planos ou perspectivas de fazer uma longa carreira na empresa onde trabalha hoje? Planeja se casar e ter filhos? Sonha em um dia morar em outra cidade ou mesmo se mudar pra outro país? 

Todo esse exercício de futurismo deve ser feito. São fatores que precisam ser colocados na balança quando você decide pela compra de um imóvel pra morar, pois daqui a dez anos você não será a mesma pessoa e não terá a mesma vida que tem hoje. 

Por exemplo, se você hoje é uma pessoa que mora sozinha, mas planeja se casar e ter filhos, o ideal é procurar comprar casa ou apartamento com pelo menos dois quartos. Mesmo que um belo apê de quarto e sala seja tudo o que você precisaria no atual momento.

2. Você vai conseguir pagar?

Pra aprovar um financiamento imobiliário, as instituições financeiras fazem uma ampla análise de crédito do comprador – ou compradores, caso uma ou mais pessoas estejam envolvidas pra compor a renda. E o que os bancos exigem, em média, é que as prestações não ultrapassem os 30% da renda bruta de quem solicita o empréstimo imobiliário.

Lembre-se que as parcelas de um financiamento podem durar até 35 anos. Por isso, a compra de um imóvel passa por uma mudança de mentalidade. Um compromisso de grande organização no campo financeiro.

Além de ter cerca de 30% de sua renda comprometida com o pagamento das parcelas, seria interessante você, assim que possível, começar a se organizar pra juntar novamente um dinheiro, um fundo de emergência, e buscar formas de investir e multiplicar essas novas economias. 

3. O valor do imóvel não será o seu único custo

Sempre que você vir o preço de um imóvel em um anúncio, saiba que é preciso olhar um pouco além dessas cifras. No QuintoAndar, por exemplo, os imóveis anunciados já aparecem com a previsão dos valores que você terá com gastos extras, como impostos e taxas de cartório, um excedente pode girar em torno de 4% a 8% do valor do imóvel.

Mas além disso, é preciso que você se planeje pra outros gastos que terá com o simples atos de morar, como as contas de consumo, IPTU e pagamento de taxas condominiais. Por exemplo, não adianta você comprar um imóvel que caiba no seu bolso, mas que fique localizado em um condomínio caro e que vai estourar o seu orçamento.

E tem mais: toda e qualquer manutenção no imóvel será de sua responsabilidade. E esse é o tipo de gasto do qual você não conseguirá fugir de tempos em tempos, caso deseje manter o seu bem em boas condições de moradia. Ou valorizado, caso o esteja comprando como uma forma de investimento.

4. Faça uma previsão sobre possíveis obras 

Um pensamento é muito comum, pra quem acaba de comprar casa: “agora que o imóvel é meu, posso fazer uma bela obra, derrubar paredes e deixar exatamente com a minha cara”. Pois esse é o tipo da coisa que, assim como tudo o que envolve comprar casa ou apartamento, precisa de planejamento. 

Grandes mudanças estruturais em um imóvel podem envolver enormes quantias de dinheiro. Dependendo do tamanho da obra, até mais do que o valor do próprio imóvel. E não tem nada de errado nisso, se você quiser deixar seu lar com a sua cara e pode arcar com esses custos. Mas vale a pena levá-los em consideração e ter uma ideia do tipo de obras que pretende fazer antes mesmo de fechar o negócio, pra ter uma ideia de quanto poderá gastar a mais.

Outro fator importante é procurar ter conhecimento sobre a planta do imóvel. Há casos, por exemplo, especialmente em apartamentos, de paredes que não podem ser derrubadas, por fazerem parte da estrutura do prédio. 

5. Um ou mais donos do imóvel

Se você for comprar casa ou apartamento sem ajuda de ninguém, este tópico não é pra você. Mas caso decida fazer a compra de forma conjunta, com cônjuges ou parentes, por exemplo, é preciso ter algumas coisas em mente. 

Antes de mais nada, os nomes de todos os envolvidos na composição da renda pra compra deverão constar na documentação da compra e na escritura do imóvel, de forma bem clara, com o percentual de cada um.

Além disso, todos os envolvidos no imóvel podem ser afetados se um de seus donos tiver problemas como uma execução judicial, por exemplo, que é uma pendência que, normalmente, recai sobre a propriedade. 

Ou seja, todos podem acabar pagando por um até mesmo com a penhora do imóvel pro pagamento de uma eventual dívida. 

6. Comprar casa ou alugar?

Outro ponto que você deve levar em consideração é saber se comprar um imóvel é realmente a melhor opção pra você ou se é mais vantajoso pagar aluguel. E isso tem a ver não apenas com seu momento atual de vida, mas também com os planos pro futuro. 

Segundo especialistas, a compra de um imóvel compensa financeiramente se você tiver planos de morar, no mínimo, por seis anos nele. No entanto, se os seus planos atuais demandam um lugar pra viver por um período menor, alugar pode ser uma boa opção pra você.

7. Tenha suporte de especialistas do começo ao fim do processo

A compra de um imóvel envolve algumas burocracias inevitáveis. Por isso, é primordial que você tenha a assessoria de quem entende do assunto. No QuintoAndar, você consegue saber de cara todas as estimativas dos custos da compra do seu novo lar, sem informações escondidas. 

Com ajuda de consultores, são feitas simulações e inclusive negociações de financiamento nos maiores bancos do mercado, pra garantir que você encontrará as melhores taxas.