Os valores médios do aluguel residencial caíram 0,1% em São Paulo e 0,39% no Rio de Janeiro, em relação a outubro, segundo mostra o Índice QuintoAndar de novembro a respeito dos valores de aluguel residencial. O cálculo do indicador, que foi lançado no mês passado, é feito a partir de valores efetivos de contratos da plataforma imobiliária digital, que hoje tem mais de R$ 30 bilhões de ativos sob gestão.

No acumulado do ano, as baixas nos preços nas duas capitais são de 6,29% e 3,6%, respectivamente. O valor médio do m² em São Paulo para aluguel fechou o mês passado em R$ 35,42. Já no Rio de Janeiro, esse valor ficou em R$ 29,05. 

Clique aqui e saiba mais sobre o indicador publicado mensalmente pelo QuintoAndar.

Índice QuintoAndar de novembro

Entre outubro e novembro, o preço médio do m² em imóveis de um dormitório no Rio continuou caindo. Em São Paulo, por sua vez, ele se manteve praticamente estável – embora registre queda em ambas as cidades na comparação com o ano anterior. 

Em São Paulo os bairros com maior alta no preço do m² de aluguel foram Vila Carrão (31,7%) e Jardim Anália Franco (12%). No Rio de Janeiro, as maiores altas foram na Barra da Tijuca (22,4%) e Freguesia (13,7%).

Já os bairros com as maiores baixas em São Paulo foram Santo Amaro (-34,8%) e Real Parque (-30,7%). No Rio de Janeiro, Santa Teresa (-20,4%) e Meier (-11%) registraram as maiores quedas nos preços do m².

Estudo sobre evolução do IGP-M

Em conjunto com o Índice QuintoAndar de novembro, a plataforma imobiliária digital, lança estudo sobre o efeito das variações negativas nos valores de contratos de aluguel e a evolução do IGP-M, utilizado em muitos contratos como o indicador de referência para reajustes anuais. O levantamento mostra que, em São Paulo, foi até 31,2% mais caro manter um contrato em vigor após o reajuste do IGP-M de novembro do que rescindir e alugar outro imóvel. No Rio, essa diferença foi de 28,9%.

O estudo ainda apresenta uma comparação entre o IGP-M e o IPCA, que vem sendo cada vez mais utilizado como referência para contratos de aluguel, inclusive pelo QuintoAndar, que anunciou na semana passada que esse índice passou a ser o padrão nos novos contratos fechados pela plataforma.