NaLata Festival 2021 promove arte urbana a céu aberto em São Paulo

Festival Internacional de Arte Urbana transforma a região de Pinheiros (SP) com grafites de artistas brasileiros e internacionais, contando com a presença do Obey pela primeira vez no Brasil


Para um lugar conhecido como “terra da garoa” e “cidade cinza”, São Paulo vem sendo bastante colorida pelos grafiteiros, trazendo a arte para o dia a dia e sendo considerada, atualmente, a capital do grafite.

Foi pensando nisso que o NaLata – Festival Internacional de Arte Urbana, em 2021, reuniu 11 nomes emergentes e já consagrados da arte de rua em todo o mundo com um objetivo em comum: transformar a cidade.

O QuintoAndar, maior imobiliária digital da América Latina, entende o quanto o entorno impacta no bem-estar das pessoas dentro de suas casas. Por isso, resolveu não só patrocinar, mas participar do projeto com uma instalação de quatro contêineres no Largo da Batata, convidando artistas para transformarem esses ambientes e imprimirem suas identidades do lado de dentro também.

Saiba mais sobre o NaLata Festival, quem são os artistas e confira detalhes da Torre QuintoAndar!

Como Surgiu o NaLata Festival

Nem durante a pandemia da Covid-19 os grafiteiros pararam de colorir São Paulo. O que é muito positivo para a população, afinal, a presença dessas obras pela cidade faz com que a gente se sinta dentro de uma galeria. Ela muda nossa forma de olhar e viver o nosso entorno, seja na correria do dia a dia ou em longos passeios durante o fim de semana.

E foi por isso que Luan Carvalho, sócio e curador do NaLata Festival, em conjunto com seus sócios da Agência InHaus, idealizaram e produziram o projeto em 2020 – em meio ao isolamento: “Queremos tornar a arte possível para quem não tem tanto acesso ao que está dentro de museus e galerias”, diz.

O grafite, muitas vezes feito em empenas (laterais sem janelas de prédios), oferece um acesso democrático e irrestrito às obras, que podem ser vistas de maneira gratuita tanto por pedestres, quanto por quem está passando dentro de ônibus e carros.

1ª edição – 2020

O festival, que teve sua primeira edição em 2020, entregou 3689 m2 de arte, em 12 obras pintadas pelos prédios de Pinheiros, com foco na região do Largo da Batata.

Entre os artistas brasileiros, estiveram: Alex Senna, Enivo, Evol, Marcelo Eco, Mari Mats, Mateus Bailon, Pri Barbosa e Rafael Sliks. Já de internacionais, compuseram o time Gleo, colombiana, e a mexicana Paola Delfín.

Além disso, o NaLata fez um concurso para apresentar novos nomes à cena do grafite, intitulado “Novos Talentos Murais SP”. Dentre os mais de 200 inscritos, cinco foram selecionados para integrar o festival de grafite: Selon, Thiago Nevs, Pixote Mushi, Fe Ikehara e Serifa.

Porém, em respeito ao isolamento social por conta da pandemia, a organização não incentivou as pessoas a fazerem o tour pelos grafites, adiando a iniciativa para 2021.

2ª edição – 2021

Na edição de 2021, o NaLata Festival reuniu 11 artistas nacionais e internacionais para espalharem muita cor e arte pela região do Largo da Batata, em Pinheiros, e também na Av. Faria Lima.

Assista ao vídeo manifesto do projeto:

A escolha do local

O objetivo do festival é entregar um legado cultural para SP, criando um novo eixo de turismo, cultura e lazer e trazendo um novo significado dos lugares por onde passamos todos os dias.

Então, a escolha do local para concentrar as obras não foi à toa. “A gente escolheu muito assertivamente a região do Largo da Batata em função das conexões que ela oferece, como estações de trem e metrô próximas, além das linhas de ônibus que vão para os extremos da cidade. Isso faz com que a gente acabe impactando muito mais do que só os moradores do bairro, mas também pessoas que estão passeando ou indo e vindo do trabalho, ali dentro do ônibus”, comenta Luan. 

Que tal dar uma espiadinha em como eram as empenas dos prédios antes da intervenção dos artistas da edição de 2021?

Agora, confira como ficou depois:

Mapa do evento

Veja mais detalhes sobre cada artista a seguir e salve nosso mapa para visitar cada um dos endereços:

Artistas brasileiros

Segundo Luan, a curadoria do NaLata Festival é feita de maneira diferente de quando faz esse tipo de trabalho para galerias, por exemplo. “No caso do NaLata, a curadoria está muito mais em definir onde cada artista vai fazer o seu grafite, porque é preciso pensar no impacto da sua arte com as pessoas”, afirma.

Conheça um pouco sobre cada artista do Festival NaLata 2021:

Finok

Av. Brg. Faria Lima, 2229
Raphael Sagarra, conhecido como Finok, nasceu no bairro do Cambuci, no Centro de São Paulo. Com figuras da cultura popular incorporadas ao grafite, como pipas e balões, procura trazer discussões sobre as relações entre a sociedade e os valores sociais, abordando temas da cultura popular brasileira, como religiões e folclore.

O grafiteiro tem obras não só em São Paulo, mas também nos Estados Unidos, Alemanha, Holanda, Espanha, Itália, Portugal, Líbano, Rússia, Chile e Reino Unido. 

Bicicleta Sem Freio

Rua dos Pinheiros, 1409

Douglas de Castro e Renato Reno se conheceram em 2005, época em que faziam faculdade de Design Gráfico, em Goiânia. O duo Bicicleta Sem Freio já foi bem maior, chegando a ter de 8 a 11 pessoas no início de sua formação.
As obras da dupla são inspiradas em pôsteres e ilustrações de rock, com muitas cores chamativas.

De Goiás para o mundo, Douglas e Renato têm, atualmente, obras em Londres, Hong Kong, Berlim, Miami, Portugal, Jerusalém e muito mais.

Zéh Palito

Rua Arthur Azevedo, 2103

Danilo Omwisye, o Zéh Palito, propõe uma visão utópica para o futuro. Nascido em Limeira, interior de São Paulo, o artista cria murais com cores vivas e vibrantes, com paisagens fantásticas onde humanos, animais e plantas coexistem em harmonia.
Em suas obras, enaltece pessoas que são pouco representadas na publicidade, como índios, negros e asiáticos, inspirando-se, principalmente, nas culturas brasileira e africana (empena do lado esquerdo).

É outro brasileiro que tem trabalhos expostos em todo o mundo, como França, Estados Unidos, Síria, Chile, Alemanha, Vietnã, entre outros países.

No NaLata Festival, a empena de Zéh está lado a lado com a de Heloisa Hariadne, que você vai conhecer logo a seguir. 

Heloisa Hariadne

Rua Arthur Azevedo, 2103

Heloisa Hariadne é de Carapicuíba, na grande SP, e essa é a primeira empena que ela pinta em sua carreira (empena do lado direito).

Motivada pela relação humana com a natureza, a artista se inspira em si mesma na hora de criar seus projetos, pensando a pintura como uma forma de trabalhar o emocional, questionando o imaginário do corpo e seus espaços.

Verena Smit

Rua Cunha Gago, 154
Nascida e criada em São Paulo, Verena Smit tem uma estética neutra, com obras caracteristicamente em preto e branco. Sua arte tem a intenção de criar narrativas visuais e provocações poéticas, abrindo diálogo com o público.

A artista tem livros publicados e seu trabalho já passou pelas páginas de veículos renomados, como Vogue Brasil, além de ter contribuído para projetos de marcas e artistas brasileiros, como Arezzo e Marcelo D2.

Entre os anos de 2019 e 2021, Verena fez uma série de instalações em espaços públicos e privados em SP, como na Estação de Metrô São Bento e na Marginal Pinheiros.

Kika Carvalho

Av. Pedroso de Morais, 691

Natural de Vitória, no Espírito Santo, Kika Carvalho é artista visual e educadora social. Uma das responsáveis por construir a cena local, Kika foi a primeira mulher de destaque a pintar os muros da cidade. 

A artista tem como base e característica marcante o uso da cor azul, utilizando diferentes suportes, técnicas e escalas.

Atualmente, Kika tem trabalhos expostos, além do Espírito Santo, em São Paulo e Salvador.

Artistas internacionais

Assim como a curadoria de grafiteiros brasileiros, Luan conta que o que o motiva a trazer artistas de fora é “fazer algo que ninguém nunca fez”, como trazer o Obey pela primeira vez ao Brasil. Saiba mais!

Obey

Rua Teodoro Sampaio, 2767
É a primeira vez que o americano Shepard Fairey, mais conhecido como Obey, vem ao Brasil. Um dos mais influentes e reconhecidos artistas do mundo foi responsável pela criação de dois painéis próximos ao Largo da Batata, os maiores da edição, trazendo seu estilo único e super característico.

E se você acha que não conhece nenhuma obra do Obey, lembra do cartaz com o rosto do ex-presidente Barack Obama que viralizou durante as eleições americanas de 2008? É dele! Shepard também é o artista por trás das capas de CDs de bandas como Led Zeppelin, The Black Eyed Peas, além de obras com os rostos de Nelson Mandela e do músico Johnny Cash.

Doze Green

Rua Teodoro Sampaio, 2763

Da mesma geração de Andy Warhol e Basquiat, outro ícone do cenário da arte de rua de Nova Iorque é o Doze Green
Com estilo inspirado na cultura do hip-hop e influências do cubismo e da caligrafia japonesa, Doze foi integrante do The Rock Steady Crew, que criou o Breaking, um novo estilo de dança.

Para os brasileiros, a principal referência que pode vir à memória é a capa do álbum “Lado B Lado A”, do grupo O Rappa.

PichiAvo

Rua Campo Alegre, 60

A dupla PichiAvo é formada pelos espanhóis Juan Antônio e Álvaro, conhecidos pela habilidade de conectar pintura e escultura nos ambientes urbanos.
O estilo das obras do duo é caracterizado, principalmente, pelas cores fortes e uso de bombers (letras gordas e que parecem vivas), além de elementos da pichação, como tags (assinaturas).

Juan e Álvaro já fizeram projetos em alguns dos principais espaços de arte urbana do mundo, como WynWood Walls e Hard Rock Stadium, em Miami.

Jason Peters

Largo da Batata

Um dos destaques do NaLata Festival 2021 é Jason Peters, criado no sul da Alemanha, responsável pela única escultura da edição, a “Rainbow Serpent”: uma estrutura criada a partir de baldes que possui luzes programáveis, ligadas ao escurecer. 

Por ser um tipo de trabalho que faz rara e pontualmente, suas obras são únicas, sendo construídas e transportadas para o local de exibição.

Jason é conhecido por criar espaços ilusórios e realidades alternativas em suas obras. E, para montá-las, ele acumula grandes quantidades de objetos que são descartados no dia a dia, dando a eles um novo significado.

Dourone

Av. Brg. Faria Lima, 2451 (em breve, em novembro)

Mais uma dupla que começou na Espanha e já espalhou mais de 90 murais mundo afora, como em Los Angeles, Paris e Amsterdã. 

Formada por Fabio Lopez e Elodie Loll, que começou a fazer parte do Dourone em 2012, o duo expressa em suas obras uma adaptação da espécie humana em um planeta que não é mais o mesmo. 

Caracterizados por não possuírem linhas pretas, os desenhos são demarcados apenas pela composição de cores e formas.

QuintoAndar no NaLata Festival 2021

Além de patrocinar o projeto, o QuintoAndar também participa efetivamente do NaLata Festival 2021 com uma torre formada por quatro contêineres. O objetivo é promover uma reflexão sobre as diferentes histórias que podem existir dentro de espaços semelhantes – mostrando os diversos conceitos de morar bem.

O QuintoAndar existe para oferecer a melhor experiência de moradia para as pessoas, o que vai além do momento da transação imobiliária de aluguel ou compra e venda. Isso inclui a conexão e identificação com os espaços onde vivem, seja em relação aos imóveis, ou aos bairros. Nesse sentido, o patrocínio ao NaLata e a Torre de Contêineres vêm para contribuir nessa missão, pois sabemos que cultura e arte são essenciais para que se construa uma relação positiva entre as pessoas e a cidade.

— Flávia Mussalem, diretora de marketing do QuintoAndar

A Torre QuintoAndar

Foram instalados quatro contêineres, um em cima do outro. Assim como um prédio residencial, cada container representa um apartamento com a mesma planta, disposição de móveis, iluminação e dimensões. 

Ali, o que irá distinguir um do outro são as obras de grafite feitas em cada um, tendo como base uma das cores primárias (vermelho, amarelo e azul) e um ambiente totalmente branco – que representa, justamente, uma folha em branco.

O que eu acho muito interessante é olhar pra isso com exatamente o mesmo olhar do festival: cada ambiente com um artista e uma cor. Ambientes que seriam iguais se transformam completamente com a arte. O fato de colocar um artista em cada um gera um resultado totalmente diferente.

— Luan Carvalho, sócio e curador do NaLata

Isso porque, ainda que tenham exatamente a mesma estrutura, cada “apartamento” conta uma história sentida e vivida ali pelos “moradores” grafiteiros. Afinal, nós também imprimimos nossa identidade em nossos lares, tornando-os únicos.

O exterior da Torre QuintoAndar ficou sob os cuidados do coletivo SHN, conhecido, principalmente, pelo uso da serigrafia – ponto de partida gráfico para a pesquisa de mídias apresentada por eles. 

O grupo, que reúne artistas com diversas atuações como arquitetura, vídeo e artes gráficas, trabalha com ícones universais, mudando o conceito de logotipo e marca de forma bem humorada e crítica.

Já nos ambientes internos, além do térreo que é totalmente branco, no primeiro andar, temos o contêiner vermelho, feito por Iconek. A ideia é transmitir o sentimento de amor, carinho e romance.

Em seguida, o ambiente amarelo ficou por conta da dupla Lanó Art, explorando intensidade, pulsação e vibração e reforçando a sensação de mudança.

E, por último, depois da explosão de sentimentos, vem o espaço azul, obra de Fabiano Apce, para chegar na tranquilidade, a sensação de dever cumprido.

Assim como as pessoas escolhem cores para as casas delas, porque sabem que isso vai mudar, deixar a casa mais alegre, divertida, a gente acaba escolhendo cores para a cidade de todo mundo.

— Luan Carvalho, sócio e curador do NaLata

A Torre QuintoAndar, localizada no Largo da Batata, próxima à Casa NaLata (Rua Fernão Dias, 682), estará aberta para visitação todos os dias, de 16 e 31 de outubro, das 10 às 18 horas. 
Para conhecer, é só seguir o mesmo processo de como quando você está em busca de um imóvel: acesse aqui, marque seu horário e compareça ao local!

Conheça a maior imobiliária digital do país: simples, prática e segura! Conhecer

More perto dos grafites em Pinheiros

Já pensou em morar próximo ou até mesmo de frente para um belo grafite em SP? O QuintoAndar, maior imobiliária digital da América Latina, tem uma enorme oferta de imóveis para alugar e comprar na região de Pinheiros, onde estão localizadas todas as obras feitas durante o NaLata Festival 2021.

Quanto dinheiro está perdendo sem alugar seu imóvel? Calcular agora