Por SíndicoNet*

Uma solução que já é realidade,  proporciona aumento no nível de segurança para os inquilinos e reduz despesas condominiais. Esses são os principais benefícios das portarias virtuais, ou remotas, cada vez mais utilizadas no país, e que têm conquistado seu lugar na vida em condomínio.

A ideia é simples: substituir porteiros presenciais por agentes que, de maneira remota, abrem e fecham portões e garagens – além de, é claro, ficar de olho 24 horas nas áreas comuns por meio de câmeras e internet.

A mudança de portarias comuns para sistemas virtuais (ou remotos) é uma tendência crescente, especialmente na dinâmica atual, reflexo da pandemia, em que segurança e economia ganharam ainda mais importância. 

O principal fator para que o condomínio fique mais seguro, é importante ressaltar, é a adesão e respeito dos moradores e inquilinos a todos os procedimentos de segurança existentes. Além disso, a empresa contratada também é fundamental para a qualidade do serviço e segurança de todos. Por isso, para que a implantação da portaria virtual ou remota seja um sucesso, é importante que não só a empresa seja idônea, mas todos no condomínio se engajem no processo.

Censo realizado pelo SíndicoNet neste ano confirma que 12% dos gestores de condomínios ouvidos já utilizam portaria virtual ou remota. Outros 36% disseram ainda não usar, mas que consideram a ferramenta como uma opção futura. Entre os que utilizam a ferramenta, o NPS (Net Promoter Score, uma metodologia de acompanhamento de satisfação de usuários de produtos e serviços) foi de 46, patamar elevado que sugere alta probabilidade de recomendação do uso de portaria remota ou virtual para terceiros.

Mas, você sabe como funciona a portaria virtual ou remota?

Entenda na prática:

Em portarias remotas, há uma central de monitoramento remota que se comunica diretamente com os moradores.
Já em portarias virtuais, há uma central de monitoramento que se comunica diretamente com o condomínio e moradores. Em ambos os casos, para o sistema funcionar bem e cumprir o seu papel com segurança a inquilinos e moradores de condomínios, são necessários alguns equipamentos como:

  1. Sistemas de reconhecimento, apps, tags ou biometria: a maioria das empresas trabalha com essas ferramentas para a entrada e saída de moradores. Sistemas de cartão, tags, reconhecimento facial e até aplicativos com “QR code” também podem ser utilizados. Em biometria, geralmente um dos dedos é utilizado para acionar os portões.

  2. Abertura e fechamento de portões remoto: se m essa funcionalidade, o operador na central não conseguiria abrir ou fechar portões para pedestres ou a garagem à distância. Há também a rede de interfonia, que permite ao agente se comunicar com quem está no portão do condomínio.

  3. Sistema de internet/telefonia com redundância: como toda a comunicação entre empresa e condomínio é feita via internet, é fundamental que haja um plano B caso haja um problema de conexão, ou para o caso de ele ficar fora do ar.

  4. Câmeras IP´s: câmeras que transmitem imagem e som via internet são fundamentais para uma boa comunicação entre operador e morador/visitante do condomínio.

  5. Gerador ou Nobreak: necessário haver um pequeno gerador, ou nobreak, pelo menos para os portões e equipamentos de segurança e comunicação, em caso de queda de energia.

  6. Cerca elétrica ou proteção perimetral por sensores: fundamental para manter o perímetro do condomínio seguro.

  7. Botão de pânico: uma maneira rápida de acionar a empresa, que então entra em contato com a polícia em emergências. Em alguns casos, é cadastrado um “dedo do pânico”, para que o morador possa pedir ajuda por meio da sua biometria, sem levantar suspeitas, em situações de perigo.

  8. Backup das imagens: é fundamental que a empresa guarde em uma nuvem as imagens do dia-a-dia do condomínio.

  9. Central de monitoramento: é a base localizada na empresa onde os agentes ficam à disposição e monitorando os condomínios. É recomendável que seja um ambiente extremamente seguro e mesmo blindado.

Qual o equipamento o morador precisa ter em casa?

Um interfone simples, que esteja em dia com a sua manutenção, já é o suficiente. Interfones com vídeos não são necessários, uma vez que algumas empresas oferecem as imagens da portaria online, por exemplo. Nesse caso, o morador consegue acessar as imagens da portaria pelo seu celular, tablet ou computador. Há ainda alguns sistemas que não usam interfone, mas sim o celular ou o telefone fixo do morador para comunicação direta.

Como ficam as correspondências e pacotes?

No caso das portarias remotas, a central de monitoramento faz a comunicação direta com os inquilinos e moradores dos condomínios. Já a portaria virtual tem o objetivo de gerir a vaga do porteiro, apenas, e os próprios moradores passam a liberar o acesso (ou não) dos visitantes ao condomínio. Por essa razão, o trabalho do zelador é fundamental para o sucesso da migração. É ele quem recebe as correspondências, pacotes, além de acompanhar prestadores de serviço. 

Qual o procedimento para delivery, como entrega de alimentos, farmácia, etc?

O procedimento é o mesmo, apenas o porteiro não está no condomínio. O entregador vai tocar o interfone e a central remota vai avisar ao morador que sua encomenda chegou. A pessoa vai, então, ao encontro do entregador na entrada do condomínio. Outra opção é o entregador tocar diretamente na unidade que solicitou o serviço – isso depende do que vai ser acordado entre o condomínio e a empresa prestadora de serviço.

Em ambos os casos, com portaria virtual ou remota, em muitos casos o zelador ou funcionário de serviços de limpeza podem receber as encomendas. Além disso, alguns condomínios já começaram a usar os “armários inteligentes” (lockers) para armazenar pacotes e encomendas.


(*) O SíndicoNet (https://www.sindiconet.com.br/) é a principal plataforma de conteúdo, tecnologia e serviços referência para síndicos, condomínios e administradoras condominiais do país. A companhia oferece também cursos de capacitação de síndicos e o portal ‘CoteiBem’, marketplace para cotação de serviços de todos os tipos para condomínios com mais de 5.000 fornecedores em mais de 200 cidades do país,cadastrados e avaliados por síndicos e administradoras de condomínios. Fundado em 1996, o SíndicoNet foi adquirido pelo QuintoAndar em 2020, mas mantém sua operação independente e focada em fortalecer o ecossistema condominial do país.