O financiamento imobiliário, pra maioria dos brasileiros, é a possibilidade mais viável de realização do sonho da casa própria. Afinal, são raras as pessoas que conseguem ter em mãos uma quantia pra comprar um imóvel à vista. E levando em consideração de que trata-se de uma das modalidades de crédito com os juros mais baixos de mercado, é sempre uma hipótese a ser levada em consideração. Quer saber se vale a pena financiar imóvel? A resposta é: sim! E a gente explica aqui o porquê pra você.

+ Leia também:
Como aprovar o financiamento pra comprar seu primeiro imóvel

Quando vale a pena financiar um imóvel?

  • Você tem um valor de entrada alto;
  • As condições de juros e o CET* são vantajosos;
  • O valor do imóvel está mais baixo;
  • O imóvel tem chances de valorização ao longo do tempo;
  • Você possui estabilidade financeira e controle rigoroso de seu planejamento financeiro a longo prazo.

* É o valor de tarifas, encargos e demais taxas adicionadas que, junto com os juros do embutidos nas prestações, compõem o Custo Efetivo Total (CET) do financiamento imobiliário.

A possibilidade de amortizar a dívida longa antecipadamente é um fator que favorece a escolha de um financiamento de 30 anos. Não é porque o prazo contratado é de 30 anos que é preciso pagar por 30 anos. Em média, as pessoas quitam suas dívidas entre 7 e 10 anos.

Quando não vale a pena financiar?

Não vale a pena financiar o imóvel em 30 anos quando ocorrem as seguintes situações:

  • O valor do imóvel está muito alto;
  • O valor que você tem reservado para a entrada é baixo;
  • Quando não há perspectiva de valorização do imóvel;
  • Quando os juros estão altos e o CET é desfavorável;

Financiar imóvel por longo período requer mais juros, pois a instituição financeira irá exigir mais garantias pra conceder um empréstimo por tanto tempo. Com isso, comprador pode vir a pagar, além do preço do imóvel, o mesmo valor ou até mais nos juros embutidos nas prestações.

Em casos assim, vale a pena você avaliar se é melhor comprar ou alugar. Pois pode ser bem mais vantajoso continuar pagando aluguel e guardar uma parcela de seus rendimentos para conseguir dar uma entrada maior e financiar o restante do valor em menos tempo ou pagar o imóvel à vista. 

Recorde de financiamentos

De acordo com dados divulgados em outubro de 2020 pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiram R$ 12,91 bilhões em setembro de 2020, com crescimento de 10,2% em relação ao mês anterior e alta de 70,1% comparativamente ao mesmo mês do ano passado. O volume financiado em setembro é recorde, em termos nominais, na série histórica iniciada em julho de 1994.

Conforme disse ao MeuLugar a presidente da Abecip, Cristiane Portella, os juros do financiamento imobiliário estão hoje em torno de 7%, que é a menor taxa como a qual o mercado já trabalho. E os preços estão bem atrativos. Tudo isso tem o impacto de colocar mais pessoas no jogo.

Ainda de acordo com a Abecip, na comparação entre os primeiros nove meses de 2019 e os de 2020, os empréstimos destinados à aquisição e construção de imóveis avançaram 44%, atingindo R$ 78,8 bilhões. Esse resultado, por sinal, já superando todo o ano passado, ainda com um trimestre para o final deste ano.

No acumulado de 12 meses (outubro de 2019 a setembro de 2020), os empréstimos para aquisição e construção de imóveis somaram R$ 102,78 bilhões, alta de 44,1% em relação ao apurado nos 12 meses anteriores.