A Cidade Maravilhosa não é apenas uma das mais lindas do mundo. É também uma das mais cantadas em verso e prosa. E por isso, o MeuLugar resolveu montar pra você uma lista de músicas que falam sobre bairros do Rio de Janeiro atendidos pelo QuintoAndar.

Veja as opções de imóveis pra alugar no Rio de Janeiro pelo QuintoAndar:

Do litoral ao subúrbio, não tem como não cantar junto. Veja as 10 escolhidas. E não deixe de ler até o final, pois tem mais uma de bônus!

1. Ipanema: “Garota de Ipanema” (Tom Jobim e Vinícius de Moraes)

Indiscutivelmente, é a música brasileira mais conhecida em todo o mundo. Composta em 1962, por Tom Jobim e Vinícius de Moraes, foi uma homenagem a Helô Pinheiro. À época uma jovem menina de 16 anos, ela passava diariamente à frente de um bar frequentado pela dupla em Ipanema. E acabou se tornando musa inspiradora desse clássico da bossa nova.

É uma das canções mais reproduzidas na história da música. E já foi regravada ou cantada em shows por nomes como Frank Sinatra, Amy Whinehouse, Madonna, Ella Fitzgerald, entre outros.

2. Andaraí: “Tempo de Don Don” (Nei Lopes)

“No tempo que Don Don jogava no Andaraí, nossa vida era mais simples de viver”. Quem nunca ouviu Zeca Pagodinho ou Dudu Nobre cantando essa música? De autoria do compositor Nei Lopes, a letra fala do jogador de futebol Don Don, um dos maiores jogadores da história do modesto Andarahy Athletico Club.

O clube carioca, extinto no fim da década de 1970, levava o nome do bairro do Andaraí, vizinho da Tijuca, do Grajaú e de Vila Isabel.

3. Vários bairros do Rio de Janeiro: “Do Leme ao Pontal” (Tim Maia)

Tim Maia era da Tijuca, mas exaltou a orla do Rio de Janeiro como poucos com a música “Do Leme ao Pontal”. Uma ode à faixa de litoral da Cidade Maravilhosa.

O trecho citado pela letra cobre diversos bairros atendidos pelo QuintoAndar, como: Leme, Copacabana, Ipanema, Leblon, São Conrado, Barra da Tijuca e Recreio. Isso sem esquecer de Flamengo, Botafogo e Urca, bairros com praias banhadas pelas águas da Baia de Guanabara.

4. Engenho de Dentro: “Engenho de Dentro” (Jorge Ben Jor)

Rio de Janeiro não é só praia. Há muita vida ao longo da linha do trem, que vai da Central do Brasil até a Pavuna, percorrendo toda a Zona Norte. E uma das paradas é o Engenho de Dentro, que fica coladinho no Méier.

Retratado nessa que é uma das músicas mais famosas de Jorge Benjor, o bairro se valorizou muito desde os Jogos Pan-Americanos de 2007. Naquele ano foi fundado o Estádio Nilton Santos, que também recebeu competições dos Jogos Olímpicos de 2016 e hoje é a casa do Botafogo.

5. Leblon: “Óculos” (Paralamas do Sucesso)

Os Paralamas do Sucesso sempre fizeram jus ao nome. Desde que surgiram, no início dos anos de 1980, são uma verdadeira máquina de hits. E “Óculos” está entre as músicas que, até hoje, não pode faltar em nenhum show.

Lançada em 1984, conta a história de um rapaz que sonhava em namorar meninas do Leblon. Ele tinha certeza de que era um cara legal, mas achava que não conseguia atenção delas porque usava óculos.

7. Laranjeiras: “All star” (Nando Reis)

Em um de seus maiores sucessos, Nando Reis canta “estranho é gostar tanto do seu All Star azul. Estranho é pensar que o bairro das Laranjeiras satisfeito sorri, quando chego ali”.

Nos versos, o compositor lembra da amiga Cássia Eller, moradora do bairro, a quem costumava visitar muito quando estava no Rio de Janeiro. Pra continuar aquela conversa que não havia terminado no dia anterior.

8. Vila Isabel: “Feitiço da Vila” (Noel Rosa)

Responsável por dar visibilidade ao bairro de Vila Isabel, Noel Rosa compôs “Feitiço da Vila” em 1934 por Noel Rosa, em homenagem ao bairro onde nasceu eu foi criado. Sua importância pro bairro é tão grande que ele foi eternizado com uma estátua. Feita de bronze e em tamanho, a obra retrata Noel sentado numa mesa sendo atendido por um garçom. E fica no Boulevard 28 de Setembro, principal via da região.

A canção, que é uma das principais composições de Noel, é interpretada aqui por Martinho da Vila. Outro grande músico nascido no bairro. E que não adotou esse nome artístico por acaso.

8. Méier: “Daqui pro Méier” (Ed Motta)

Faixa de abertura de “Manual Prático para Festas, Bailes e Afins – Vol. 1”. Em seu álbum mais comercial e de maior sucesso, Ed Motta abre os trabalhos com esse funk altamente dançante, que fala sobre andar pela cidade. Do Leblon ao Catete. E dali pro Méier.

Carioca da gema, Ed Motta cresceu cercado de música. É sobrinho de sangue e um dos principais herdeiros musicais de Tim Maia.

9. Vários bairros do Rio de Janeiro: “Carioca” (Chico Buarque)

O Rio de Janeiro é um tema recorrente na obra de Chico Buarque. De formas diversas, volta e meia a cidade aparece em suas letras. Sendo que a mais explícita é “Carioca”. A música fala do cotidiano e passa por diversos bairros do Rio. Da Gávea ao Flamengo, sem deixar de mencionar os bailes funk. A música abre o álbum “As cidades”, lançado em 1998.

10. Copacabana: “Sábado em Copacabana” (Dorival Caymmi)

De acordo com o baiano Dorival Caymmi, depois de trabalhar toda semana, um bom lugar pra encontrar é Copacabana. Bom também pra passear à beira-mar. Pra um jantar depois de dançar e pra se encontrar um novo amor.

Caymmi cantou como ninguém as belezas da Bahia. Mas foi no Rio de Janeiro, onde chegou em 1938, aos 24 anos, que passou a maior parte de sua vida. Em especial no bairro de Copacabana. Poucos meses após sua morte, Caymmi ganhou uma estátua no famoso calçadão da praia. A peça fica no Posto 6, na altura da Rua Francisco Otaviano, vizinha à Vila dos Pescadores.

Ouça na voz de Maria Bethânia:

Bônus: “Cariocas” (Adriana Calcanhoto)

Essa não fala de nenhum bairro específico. Mas entra de bônus no playlist porque fala do jeito de ser do carioca. Algo que permeia todos os cantos da cidade. E tudo isso sob o ponto de vista de uma gaúcha, a cantora e compositora Adriana Calcanhoto. Ela lançou “Cariocas” no álbum “A Fábrica do Poema”, de 1997.

Diz aí: o bairros do Rio de Janeiro combinam ou não com boas músicas?