Como tudo o que envolve a compra de um imóvel, ou qualquer outro grande negócio que você pode fazer na vida, a chave pra você ter o melhor acordo possível sempre será o planejamento. Afinal de contas, não estamos falando de uma compra qualquer por impulso de um algum produto que você vê na vitrine de uma loja. E é muito importante você levar em consideração alguns fatores que podem te fazer perder dinheiro na compra de um imóvel. Por isso, preparamos algumas dicas pra você fazer o melhor negócio possível na hora de realizar o sonho da compra da casa própria.

1. Planejamento financeiro

O ponto principal na parte financeira é o quanto a mais além do valor do imóvel você irá pagar de juros. Afinal de contas, Por esse motivo, comprar uma casa ou um apartamento à vista sempre será a melhor opção, pois você pagará somente o preço estipulado pelo bem, além de alguns custos extras protocolares

E, basicamente, a melhor forma de você gastar menos com os juros é juntar o máximo possível de entrada ao contratar um financiamento pra compra da casa própria. Dessa forma, você já quita uma boa parte do valor do imóvel e sem precisar pagar ao banco por essa fatia num empréstimo.

Pra conseguir a melhor taxa de juros possível, é importante também que você faça simulações com diferentes instituições financeiras. E, principalmente, que tenha um bom score, que é a pontuação de crédito que a pessoa acumula a partir do momento em que começa sua vida financeira.

Além disso, mesmo após o negócio fechado, continue pesquisando as condições oferecidas pelos bancos. Você sempre pode fazer a portabilidade de crédito imobiliário, caso encontre um banco que ofereça taxas menores.

2. Valorização do imóvel

Faça uma pesquisa sobre o local do imóvel que você pretende comprar. Leia notícias sobre o bairro, converse com corretores de imóveis e procure identificar se a área tende a valorizar ou a desvalorizar no futuro. 

Mesmo que a sua intenção seja comprar o imóvel pra moradia, e não pra investimento, é importante você prever a possibilidade de, no futuro, poder vender por um valor maior caso queira se mudar, por exemplo. 

3. Estado de conservação

A compra de um imóvel usado exige uma atenção mais do que especial ao seu estado de conservação. Problemas mais “cosméticos”, como uma simples pintura podem não significar um gasto muito grande. Mas uma obra estrutural pode vir a pesar muito no seu bolso caso seja necessária num futuro próximo ou mais a longo prazo. Especialmente se você estiver pagando parcelas de um financiamento.

Por isso, tenha muita atenção ao fazer a vistoria do imóvel antes de optar por sua compra. Leve alguém com um olhar mais técnico com você na visita, como um arquiteto, um engenheiro ou mesmo um mestre de obras experiente. Seria mais ou menos a mesma lógica de levar um mecânico de confiança pra avaliar um carro usado que você está pensando em comprar. 

4. Análise documental pra compra da casa própria

Em qualquer transação imobiliária, a verificação dos documentos é muito importante para que o comprador não seja pego de surpresa com questões que podem até custar a perda do imóvel.

Afinal, durante um período de até dez anos após o fechamento de um contrato, problemas jurídicos ou financeiros relacionados ao vendedor ou ao imóvel podem aparecer e causar dor de cabeça, ou até a perda do bem, pra quem comprou o imóvel.