O valor de venda de um imóvel depende de algumas variáveis que não se limitam apenas ao que ele pode oferecer da porta pra dentro. Muito pelo contrário. Muitas vezes, alguns elementos externos são tão ou mais importantes do que a metragem ou o número de quartos. Por isso, preparamos uma lista com 7 fatores que influenciam no preço dos imóveis.

Tendo esses elementos em mente, tanto comprador quanto vendedor podem se preparar melhor pra uma negociação. 

1. Localização

A pandemia do novo coronavírus mudou muitos hábitos, com a disseminação do home office e dos serviços de delivery, além da necessidade do isolamento social, fatores que deixaram muitas pessoas mais dentro de casa. Mesmo assim, a localização ainda exerce uma influência importante no preço de um imóvel. E por localização, entende-se a vizinhança e toda a infraestrutura que ela pode oferecer a quem decidir pela compra de um imóvel. 

Imóveis que ficam próximos de pontos importantes de transporte público, como avenidas, terminais e estações de metrô, por exemplo, costumam ser muito valorizados. Assim como aqueles localizados em bairros com boa estrutura de comércio e serviços, com baixos níveis de criminalidade e que sejam bem abastecidos por serviços básicos, como luz, água e gás. 

2. Metragem e número de cômodos

O tamanho é outra característica que tem influência direta no preço dos imóveis. Quanto maior for a sua metragem, mais valorizado será o apartamento ou a casa. 

Além disso, o número de cômodos como quartos, banheiros e área de serviço são fatores que influenciam no preço.

3. Planta flexível

Muitas pessoas compram imóveis já vislumbrando possíveis mudanças no ambiente, como fazer uma cozinha americana ou dividir um banheiro em dois, por exemplo. Por isso, imóveis com plantas mais flexíveis, que permitam uma mudança estrutural interna, tendem a ser mais valorizados. 

Isso é mais comum, por exemplo, em casas. Em apartamentos, pode acontecer de um imóvel ter paredes que não podem ser derrubadas, por fazerem parte da estrutura de todo prédio.

4. Idade do imóvel e estado de conservação

Quanto mais novo for o imóvel, mais valorizado ele será. Imóveis mais antigos tendem a apresentar mais sinais de deterioração, a não ser que passem por uma reforma geral antes de serem vendidos. 

Além disso, independentemente da idade do imóvel, o seu estado de conservação é fundamental na estipulação do preço e costuma permear muito das negociações entre comprador e vendedor. 

Muitas vezes, a pessoa vai comprar uma casa ou apartamento, mas percebe problemas como rachaduras, pintura descascada, vazamentos, portas, janelas e acabamentos como metais dos banheiros e cozinha em estado ruim de conservação. Tudo isso, caso a pessoa decida pela compra, irá significar um gasto futuro. E um trunfo pro comprador na busca por um preço melhor na negociação.

5. Garagem e o preço dos imóveis

Tanto em casas quanto em apartamentos, o fato de o imóvel ter ou não garagem influencia no seu preço, pra mais ou pra menos. 

E especialmente no caso de apartamentos, onde o morador divide a área comum com todos os outros condôminos, ter mais de uma vaga pode significar um valor mais alto em comparação a imóveis similares com uma vaga só. E especialmente em comparação com aqueles sem nenhuma vaga.

6. Opções de lazer

Nas casas, boas áreas externas, com opções como churrasqueira e piscina, fazem o preço pelo conjunto todo se tornar mais alto, uma vez que você compra o que está do muro pra dentro. 

No caso dos apartamentos, a lógica é mais ou menos parecida. Tanto em áreas privativas, como piscina interna, churrasqueira ou uma boa e espaçosa varanda, como nas amenidades e facilidades oferecidas nas áreas comuns do condomínio, como piscina, sauna, salão de festas, playground, academia de ginástica, entre outras.

7. Número de andares no prédio

Em prédios mais antigos, mais baixos e com poucos apartamentos, por exemplo, é muito comum não existir elevador. E esse é um item que, pra muita gente, pode fazer falta na hora de comprar um apartamento. Até mesmo, em alguns casos, por questões de acessibilidade.

Portanto, quanto mais andares tiver o prédio, maior será a infraestrutura pra locomoção de seus moradores pelas áreas comuns. E isso implica, pelo menos, na existência de um ou mais elevadores. O que valoriza os imóveis daquele edifício.

8. Incidência de sol

Os imóveis mais valorizados, especialmente em se tratando de apartamentos, são aqueles que recebem recebem sol pela manhã. É o horário em que a incidência dos raios solares é menos danosa à pele. Além disso, o imóvel fica um pouco mais fresco na parte da noite, pois não passa a tarde inteira exposto ao calor do sol.

Um imóvel sem uma boa exposição à luz do sol pode ser um ambiente propício ao surgimento e à proliferação de mofo, ácaro e bolor, que são agentes que causam problemas alérgicos e respiratórios.